Imprimir

 Introdução

Nos bairros sociais, a grande maioria das instituições de carácter social estão limitadas devido ao seu orçamento anual, além de vivermos num período de uma chamada “crise”. Neste contexto, como podem começar a ensinar TIC a idosos quando é necessário não só, recursos humanos (e.g. professores de informática) mas também recursos físicos, como os próprios computadores, teclados, monitores, etc?

Como conseguir os recursos

Hoje em dia em Portugal, e especialmente em Lisboa, há vários bancos de bens doados, e as instituições têm de ser activas para conseguir os recursos de que necessitam a um preço quase gratuito. Um dos custos que têm é pagar o software original (Windows Vista e o Microsoft Office), mas a Microsoft tem um protocolo para as instituições, que lhes permite adquirir o software a um preço muito reduzido.

Conseguir professores também é possível, porque para ensinar competências básicas de TIC a idosos, não é preciso um professor especialista ou licenciado, mas sim uma pessoa com boa vontade, capacidade de comunicação, e que seja feliz em ensinar e partilhar. Este recurso humano pode-se alcançar através do voluntariado, uma vez que também existem vários bancos de voluntariado, como por exemplo: pessoas reformadas e estudantes universitários. Desta forma, mesmo sem grandes recursos financeiros, é possível encontrar as condições necessárias para ensinar TIC a seniores e abrir um Centro de Ensino Informal.

Princípios de um Centro de Ensino Informal de TIC para Idosos

Deverá ser respeitado o conhecimento individual assim como o percurso de vida dos seniores. Os seniores deverão ser ensinados numa lógica de continuidade, sem “pressas” e adaptado a cada um. No caso da ADAS-BR, o ensino é essencialmente para pessoas que nunca tiveram contacto com os computadores, e especialmente para as pessoas do bairro (onde há um grau de escolaridade baixo).

 Factores de Sucesso num Centro de Ensino Informal de TIC para Idosos

Um dos maiores factores de sucesso é ter voluntários dedicados que tenham tempo e paciência para ensinar estes alunos “especiais”. Dividir as turmas em ensino “Básico / Intermédio / Avançado” é importante para ir de encontro às expectativas. Também é oportuno ter voluntários para as “Horas de Treino”, nos quais os computadores estão disponíveis para os alunos explorarem os seus conhecimentos individualmente, mas com ajuda. Estes voluntários podem ser alguém com bons conhecimentos de TIC, ou então um aluno mais avançado. Este modelo de ensino deve estar sempre aberto a novos voluntários e deverá existir um envolvimento de todos nas actividades diárias das instituições (e.g. escrever o jornal bi-anual, newsletter, partilha de email’s…).

A nossa experiência na ADAS-BR

Mesmo com recursos financeiros escassos, conseguimos implementar do zero, um Centro de Ensino Informal de TIC para Seniores (os computadores foram adquiridos no Banco de Bens Doados da ENTRAJUDA, e os voluntaries através do Banco de Voluntários da RUTIS, assim como os voluntários académicos da U. NOVA). Em 2 anos em activo, contamos com 7 computadores todos com internet, 3 turmas (2 de iniciados e 1 de intermédios) cada uma com mais de 7 alunos (há alunos que levam o seu portátil para a aula), 5 professores voluntários (1 reformado, 1 em activo, 3 voluntários académicos), e 2 voluntários para as “Horas de Treino” (1 reformado, 1 aluno intermédio).